Pular para o conteúdo principal

Questões de filosofia com gabarito


QUESTÕES DE FILOSOFIA – COM GABARITO

 

EPICURO

01) Alguns dos desejos são naturais e necessários; outros, naturais e não necessários; outros, nem naturais nem necessários, mas nascidos de vã opinião. Os desejos que não nos trazem dor se não satisfeitos não são necessários, mas o seu impulso pode ser facilmente desfeito, quando é difícil obter sua satisfação ou parecem geradores de dano.(EPICURO DE SAMOS. “Doutrinas principais”. In: SANSON, V. F. Textos de filosofia. Rio de Janeiro: Eduff, 1974). No fragmento da obra filosófica de Epicuro, o homem tem como fim: 

a) Alcançar o prazer moderado e a felicidade.

b) Valorizar os deveres e as obrigações sociais.

c) Aceitar o sofrimento e o rigorismo da vida com resignação

d) Refletir sobre os valores e as normas dadas pela divindade.


02) Leia o trecho da Carta a Meneceu:"Nenhum jovem deve demorar a filosofar, e nenhum velho deve parar de filosofar, pois nunca é cedo demais nem tarde demais para a saúde da alma. Afirmar que a hora de filosofar ainda não chegou ou já passou é a mesma coisa que dizer que a hora ainda não chegou ou já passou; devemos, portanto, filosofar na juventude e na velhice para que enquanto envelhecemos continuemos a ser jovens nas boas coisas mediante a agradável recordação do passado, e para que ainda jovens sejamos ao mesmo tempo velhos, graças ao destemor diante do porvir. Devemos então meditar sobre tudo..." (Epicuro Carta de Epicuro a Menoiceus). Para Epicuro, como se expressa na Carta a Meneceu, o objetivo da filosofia é:

 

a) A felicidade do homem.

b) A imparcialidade diante das decisões tomadas pelos homens.

c) O gozo imoderado dos prazeres mundanos.

d) Estabelecer, refutar e defender argumentos tirados da bíblia.

 

ÉTICA CRISTÃ

03) São características da ética cristã, EXCETO:

a) O comportamento do ser humano deve ser regulado por Deus.

b) Submissão a vontade de Deus para a salvação da alma.

c) O ser humano é totalmente dependente de Deus.

d) Exercício da capacidade racional como determinação para a ação.

 

04) Na obra À ética protestante e o espírito do capitalismo, o sociólogo Max Weber analisa a influência de um tipo de comportamento religioso no desenvolvimento do capitalismo moderno. O autor destaca a relação particular entre a “ética protestante” e a questão do “trabalho” para mostrar, por exemplo, que: I) o trabalho deve ser encarado como “um dever” (vocação) e não como “uma obrigação”; e II) “o aumento de salário não significa aumento da produção”. Com base no enunciado e afirmações acima é CORRETO afirmar:

 

a) O surgimento do moderno capitalismo surgiu de modo acidental.

b) A suposta correlação entre aumento de salário e maior produtividade do trabalho nunca pode ser comprovada.

c) O modo protestante de encarar o trabalho debilitou a expansão da produção econômica nos países de maioria protestante.

d) O protestantismo foi considerado como uma teologia da prosperidade, contribuindo para a ascensão da burguesia e o desenvolvimento do capitalismo.

 

HUMANISMO

05) Erich Fromm menciona dois tipos de autoridade: I) Autoridade racional: fundada na competência e se alicerça na igualdade entre as partes. As pessoas só são distintas em grau de conhecimento. II) Autoridade irracional: sua fonte é o poder sobre as pessoas e cujas bases são o medo e o poder, ou seja, na diferença de valor, na desigualdade entre as partes. Qual dos dois tipos de autoridade é compatível com a Ética Humanista?

 

a) I e II;

b) Apenas II;

c) Apenas I;

d) Nenhuma delas é compatível.


06) A Ética Humanista representa a rejeição e o afastamento dos dogmas religiosos e a valorização do ser humano e da racionalidade como uma autoridade para a ação. Neste sentido, é possível afirmar que a Ética Humanista retoma:

 

a) Os elementos da cultura persa.

b) Os elementos da cultura clássica, grega e romana.

c) Os fundamentos teológicos dos heréticos.

d) As estruturas do pensamento de Buda.

 

KANT 

07) Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo. O homem é o próprio culpado dessa menoridade se a causa dela não se encontra na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de servir-se de si mesmo sem a direção de outrem. Tem coragem de fazer uso de teu próprio entendimento, tal é o lema do esclarecimento. A preguiça e a covardia são as causas pelas quais uma tão grande parte dos homens, depois que a natureza de há muito os libertou de uma condição estranha, continuem, no entanto, de bom grado menores durante toda a vida. KANT, I. Resposta à pergunta: o que é esclarecimento? Petrópolis: Vozes, 1985 (adaptado). (Enem 2012) Kant destaca no texto o conceito de Esclarecimento, fundamental para a compreensão do contexto filosófico da Modernidade. Esclarecimento, no sentido empregado por Kant, representa:

 

a) A reivindicação de autonomia da capacidade racional como expressão da maioridade.

b) O exercício da racionalidade como pressuposto menor diante das verdades eternas.

c) A imposição de verdades matemáticas, com caráter objetivo, de forma heterônoma.

d) A compreensão de verdades religiosas que libertam o homem da falta de entendimento.

 

08) Para que uma ação tenha valor moral, de acordo com Kant, é necessário que: 

a) Seja contrária ao dever.

b) Seja praticada por dever.

c) Seja praticada por respeito aos dogmas religiosos.

d) Seja praticada tendo em vista um bem individual.

 

09) Leia os dois textos abaixo e responda o que se pede. Texto 01: Éticas consequencialistas - teorias morais segundo as quais as ações são corretas ou incorretas em função das suas possíveis consequências ou resultados. Exemplo: romper uma promessa será correto ou incorreto, dependendo das consequências boas ou más que resultem da ação. O utilitarismo é a forma mais conhecida de consequencialismo. Texto 02: Éticas deontológicas - teorias morais segundo as quais certas ações devem ou não devem ser realizadas, independentemente das consequências que resultem da sua realização ou não realização. As éticas deontológicas opõem-se ao consequencialismo porque consideram que existem atos que são corretos ou incorretos em si mesmos. Exemplo: romper uma promessa é sempre incorreto, independentemente das consequências boas ou más que possam resultar da ação. O texto 01 e 02 se referem respectivamente aos seguintes pensadores:

 

a) Stuat Mill e Sócrates

b) Sócrates e Merleau Ponty

c) Stuart Mill e Kant

d) Kant e Sócrates

e) Nenhum dos pensadores acima.

 

10) O dever, longe de ser uma imposição externa feita à nossa vontade e nossa consciência, é a expressão de nossa liberdade, isto é, da presença da lei moral em nós (...). Obedecer ao dever é obedecer a si mesmo como ser racional que dá a si mesmo a lei moral. A concepção de liberdade e dever descrita acima refere-se à filosofia moral de:

 

a) Sade.

b) Nietzsche

c) Kant

d) Mill

 

11) Com base na noção de imperativo categórico, Kant sugeriu que a máxima sobre a qual uma ação é baseada, e não a ação individual em si mesma, é a chave para determinar se uma ação é moralmente boa. Tendo em vista a filosofia moral kantiana, assinale a alternativa correta.

a) As decisões morais devem ser tomadas com base nas regras produzidas pela cultura na qual o agente está inserido, deixando-se de lado suas tendências individuais.

b) A filosofia moral de Kant propõe que o tratamento das pessoas como meio para a aquisição de algum benefício é mais vantajoso que o tratamento das pessoas como um fim em si mesmas.

c) Conforme a ética kantiana, o valor moral de uma ação deve ser determinado pelos dogmas religiosos.

d) De acordo com Kant, as ações virtuosas são aquelas praticadas por dever, o que significa agir pela razão. Com isso, Kant procura limitar a discussão acerca do caráter moral das ações e de seus motivos ou intenções.

 

12) O imperativo pretende garantir: I. a moralidade do agir. II. a autonomia do agir. III. a heteronomia do agir. Está(ão) correta(s) a(s) alternativa(s):

 

a) I apenas.

b) II apenas.

c) III apenas.

d) I e II apenas.

 

EXISTENCIALISMO

 

13) Movimento filosófico inaugurado por Husserl e desenvolvido por seus seguidores, como Martin Heidegger. Seu lema é: “De volta às coisas mesmas”, o que significa que busca a superação da oposição realismo x idealismo, sujeito x objeto, consciência x mundo. Para este movimento, toda consciência é consciência de alguma coisa.

 

a) Fenomenologia

b) Materialismo

c) Idealismo

d) Racionalismo

 

14) De acordo com Heidegger, o Ser humano é diferente pois está sujeito à facticidade e à transcendência. Isso significa que:

 

a) Heidegger entende que somos no mundo. Porém, cabe a nós imprimir sentido às nossas ações.

b) Heidegger considera que, assim como os objetos, não somos livres.

c) Heidegger entende que somos movidos unicamente pelas circunstâncias dadas no mundo.

d) Heidegger entende que somos seres lançados no mundo e que o sentido já vem pré-estabelecido.

 

15) Leia com atenção a citação do filósofo existencialista Jean-Paul Sartre:[...] o existencialismo afirma é que o covarde se faz covarde, que o herói se faz herói; existe sempre, para ocovarde, uma possibilidade de não mais ser covarde, e para o herói, de deixar de o ser. SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. A imaginação: Questão de método. Seleção de textos de José Américo Motta Pessanha. Tradução de Rita Correira Guedes, Luiz Roberto Salinas Forte, Bento Prado Júnior. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987. p. 14. De acordo com o texto anterior, o homem é:

 

a) Fruto da sociedade e não pode fugir das limitações naturais dadas por ela, uma vez que é político por natureza.

b) Livre de qualquer determinação, seja de ordem natural ou cultural, pois, apesar de existirem forças contrárias, o homem é capaz de superar tais limites em um movimento de autoconstrução.

c) Absolutamente livre, uma vez que ele é o único responsável pelo que faz de si mesmo, tendo em mente que sua vida é resultado de fatores externos e internos.

 

ÉTICA CRISTÃ

 

16) Leia o texto a seguir: “Perguntando se o livre-arbítrio vem de Deus, conclui que sim, sendo que quando se age mal é porque se fez a escolha errada. Santo Agostinho procura assim dar conta da relação entre a natureza humana criada por Deus, a vontade livre que Deus deu ao homem e a possibilidade do homem escolher entre fazer o bem e o mal. Sem a vontade livre o ser humano não seria responsável por seus atos”. (MARCONDES, Danilo. Textos básicos de ética. RJ: Zahar, 2007. p.53- 54. Adaptado). Segundo o texto acima, para Santo Agostinho, é fundamental que os homens tenham livre-arbítrio, para que Deus não:

 

a) Dê possibilidade de escolha para o homem.

b) Permita ao homem buscar o mal mundano

c) Seja o determinador da natureza humana

d) Seja responsável pelo livre-arbítrio humano

e) Seja o responsável pelo mal no mundo

 

 

GABARITO

01) A

02) A

03) D

04) D

05) C

06) B

07) A

08) B

09) C

10) C

11) D

12) D

13) A

14) A

15) B

16) E


 

Comentários

Popular Posts

Questões de prova sobre: As desigualdades sociais

01 - (UEL – 2003) Observe os quadrinhos: (QUINO. Toda Mafalda . São Paulo: Martins Fontes, 1992). Os quadrinhos ilustram uma forma comum de explicar a pobreza e as desigualdades sociais. Assinale a alternativa que apresenta pressupostos utilizados pela teoria liberal clássica para compreender a existência da pobreza e que foram também assumidos pela personagem Susanita em suas falas. a) As desigualdades sociais podem ser compreendidas através da análise das relações de dominação entre classes, que determinam o sucesso ou o fracasso dos indivíduos. b) A existência da pobreza pode ser compreendida a partir do estudo das relações de produção resultantes da exploração de uma classe sobre a outra. c) A divisão em classes sociais no capitalismo está baseada na liberdade de concorrência; assim, a pobreza decorre das qualidades e das escolhas individuais. d) O empobrecimento de alguns setores sociais no capitalismo decorre da apropriação

01 - Mito e Filosofia (Questões com gabarito)

Quando pensamos na transição entre o mito e a filosofia salientamos que mesmo a filosofia nascente trazendo uma proposta mais racional em relação à toda explicação mítica, ela ainda apresentava "vínculos" com a antiga forma de conceber o universo, principalmente se tomamos como exemplo os jônios e todo o pensamento que busca na natureza e seus elementos aquilo que seria o princípio universal de todas as coisas. Enquanto o mito não se importava com as contradições e contos fabulosos, a filosofia organiza seu percurso através da lógica e do uso da razão. Mas não nos enganemos com essa simples colocação, pois há uma ruptura perceptível entre ambas. Enquanto o mito é envolto de crenças inquestionáveis, a filosofia nasce do próprio rechaço às explicações inquestionáveis e promove uma problematização de tudo. Ela rejeita o sobrenatural e a interferência dos deuses na explicação dos fenômenos naturais. Ela busca ao contrário do mito definir os conceitos e se organizar como um

Questões sobre Filosofia Estética com Gabarito

01) “Um quadro não é pensado ou fixado de antemão. Enquanto o produzimos ele segue a modalidade do pensamento. Depois de terminado ele continua a mudar, conforme o estado daquele que contempla. Um quadro segue sua vida como um ser vivo, sofre as mudanças que a vida cotidiana nos impõe. Isto é natural, já que um quadro só vive graças àquele que o contempla.”   Pablo Picasso. Este fragmento do pensamento de Pablo Picasso significa: a) O quadro é um ser vivo e é independente do artista, assume forma independente e é altamente abstrato em relação à realidade sensível. b) O quadro é apenas o resultado do pensamento do artista que expressa a sua imaginação em um pedaço qualquer de superfície que permita a expressão máxima do artista. c) Um quadro, por mais que tenha a intencionalidade de um artista por de trás de sua criação, sempre se manterá vivo mesmo que um artista já o tenha terminado. Isso só é possível porque quem o contempla terá sempre a chance de fazer uma nova interpr

Postagens mais visitadas deste blog

Questões sobre Filosofia Estética com Gabarito

01) “Um quadro não é pensado ou fixado de antemão. Enquanto o produzimos ele segue a modalidade do pensamento. Depois de terminado ele continua a mudar, conforme o estado daquele que contempla. Um quadro segue sua vida como um ser vivo, sofre as mudanças que a vida cotidiana nos impõe. Isto é natural, já que um quadro só vive graças àquele que o contempla.”   Pablo Picasso. Este fragmento do pensamento de Pablo Picasso significa: a) O quadro é um ser vivo e é independente do artista, assume forma independente e é altamente abstrato em relação à realidade sensível. b) O quadro é apenas o resultado do pensamento do artista que expressa a sua imaginação em um pedaço qualquer de superfície que permita a expressão máxima do artista. c) Um quadro, por mais que tenha a intencionalidade de um artista por de trás de sua criação, sempre se manterá vivo mesmo que um artista já o tenha terminado. Isso só é possível porque quem o contempla terá sempre a chance de fazer uma nova interpr

Questões sobre Filosofia Política

Questões sobre Filosofia Política Livro: Fundamentos de Filosofia (Gilberto Cotrim) 1) Sintetize e compare os conceitos antigo e moderno de política. Resposta: Na concepção clássica grega o conceito de política refere-se à arte de governar a polis, ligada ao bem comum e à ética. Enquanto que na modernidade, o conceito passou a ser estritamente ligado ao poder, ou seja, a métodos de se conseguir algo. Sendo assim, a questão ética , que está implícita na ideia de bem comum é colocada em segundo plano ou totalmente abandonada. 2) Poder é a posse dos meios que levam à produção de efeitos desejados. Explique essa afirmação. Resposta: A afirmação quer dizer que “poder” é a capacidade de alcançar algum objetivo, utilizando artifícios como os econômicos. Poder vem do latim potere, posse “poder, ser capaz de”. Refere-se fundamentalmente à faculdade, capacidade, recursos para produzir certos efeitos, segundo o filosofo inglês Bertrand Russell poder é a capacidade de fazer c

Questões de prova sobre Ética e Moral - Prova I - Com Gabarito

01) "Moral (mos, moris, "costume"): conjunto de normas livres e conscientemente adotadas que visam a organizar as relações das pessoas na sociedade, tendo em vista o bem e o mal; conjunto dos costumes e valores de uma sociedade, com caráter normativo (regras do comportamento das pessoas em grupo)". (ARANHA, Maria L. de Arruda. Filosofando: Introdução à filosofia. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2003). Sobre a moral, é CORRETO afirmar que:  a) O estudo da moral deixa de ser uma questão de cunho filosófico passando a ser objeto de estudo da teologia. b) A moral não estabelece regras para a vivência em sociedade. c) A moral se reduz a um conjunto de normas, regras e valores que são adquiridas através da herança e recebidas pela tradição. d) Através da reflexão crítica, o sujeito tende a colocar a moral e os valores vigentes em questão, questionando-os e criticando-os. e) Todas as alternativas acima estão erradas 02) A teoria Ética de Kant e Stuart Mill