Pular para o conteúdo principal

Resenha do Filme: Poder além da vida


Resenha de Tiago Lacerda

O filme é baseado em fatos reais e pode ser considerado um material semiautobiográfico de Dan Millman, autor do livro intitulado O caminho do Guerreiro pacífico (Way of the peaceful warrior). A partir deste livro foi criado o filme Poder além da vida sob a direção de Victor Salva. O Filme é classificado como drama e foi lançado nos Estados Unidos no ano de 2006. O protagonista desta trama é o próprio Dan Millman interpretado pelo ator Scott Mechlowicz que é um ginasta muito entusiasmado pelo que faz e desejoso em participar das olimpíadas. Nada lhe falta: dinheiro, mulheres, faculdade, amigos e muitos troféus, mas mesmo tendo tudo isso um caos atravessa a sua vida, um caos no sentido de que as coisas se tornam desordenadas para uma hora se organizar. É preciso compreender que a vida é formada por essas forças antagônicas e que elas lutam dentro de nós para nos revelar quem somos.
O filme apresentou algumas regras sobre a vida que se apresenta sob os conceitos de paradoxo (a vida é um mistério, não desperdice seu tempo tentando compreendê-la), humor (mantenha seu senso de humor, principalmente em relação a você mesmo, é a força além de todas as medidas) e mudança (nada permanece imutável). Quem levou Millman nesta caminhada de descoberta foi Sócrates, que foi o eixo principal de suas novas descobertas, esse personagem é interpretado pelo ator Nick Nolte. Em meio a essa amizade aparece uma linda jovem chamada Joy (Amy Smart) que ajudará o ginasta a prosseguir sua trajetória em busca do conhecimento de si mesmo, das vitórias e do grande ideal que começara a almejar: ser um guerreiro de verdade, ou como explicita no livro de Dan Willman: um guerreiro pacífico.
O filme pode ser interpretado por diversos vieses. Citarei algumas cenas específicas para apresentar uma forma peculiar de assistir ao filme. Podemos começar numas das primeiras cenas do filme quando o jovem num diálogo com Sócrates escuta a primeira indagação: “você é feliz?”. A pergunta veio porque o jovem se ostentava em saber responder qualquer coisa. Nada lhe faltava, assim esta pergunta chega como um terremoto que estremece as bases psicológicas de uma pessoa segura de si. A primeira resposta partindo de Millman não poderia ser diferente: “o que felicidade tem a ver com isso?”, pois para uma pessoa materialista como ele o mais importante na vida é o que se pode conseguir com seu dinheiro: bens, títulos, mulheres etc.
No momento dessa pergunta partindo do pressuposto de que Sócrates é apenas uma idealização de seus desejos faz que o jovem atleta pense um pouco em tudo o que está fazendo. Será que vale a pena todo esforço se perdermos a nós mesmos? Buscamos conhecer o mundo e todas as coisas e nos esquecemos de quem somos e do que somos realmente capazes. Muitas vezes nos colocamos diante de nós mesmos e tememos ver e conhecer essa pessoa que se apresenta a nós. Pensamos ser mais forte que somos, mais inteligente que apresentamos, enquanto no fundo olhamos apenas para o nosso próprio ideal. Sócrates no filme representa a figura de um filósofo grego, um homem maduro que sabe tomar as decisões e que tem consciência de que “sabe que não sabe nada”, ou seja, pode aprender muito com as outras pessoas e retirar o conhecimento de dentro de cada delas.
Antes da cena do assalto, Millman se questionava sobre os valores que tinha. Sobre o que é certo e errado e percebeu que há uma convenção sobre o que é certo: em relação aos outros, ao que sabemos ou viver como vivemos. Aprendeu que não existe certo e que nunca vai estar certo ou mais errado que os outros. Que é preciso ter consciência de suas escolhas. Pois “todas as ações têm suas satisfações e seu preço, reconhecendo os dois lados o mundo se torna mais realista e responsável por suas ações”. Após essa reflexão ele sai do lugar em que estava e é assaltado, num primeiro momento ele pensa em revidar, no filme, ele diz isso para Sócrates: “uma pequena vantagem na hora e no lugar certo”, pois Sócrates poderia acabar com eles. Na verdade quem poderia acabar com eles era o ego de Millman que se achava forte o bastante para iniciar um duelo, mas ao perceber uma arma apontada em sua cabeça, a situação muda. No filme Sócrates joga a carteira, nesse momento é Millman, sua parte madura e racional que age, não reagindo. Esse é um dos ensinamentos do filme, ser um guerreiro pacífico, ou seja, você pode ganhar a guerra de uma forma inteligente.

O filme se desenvolve com inúmeros ensinamentos nesse sentido. Um dos precípuos é que pensamos que nossa alegria se encontra no destino que traçamos, mas nos enganamos. Pois é na jornada que a felicidade se desenvolve. Nossa vida precisa ser vivida intensamente no presente, não em desejos futuros ou recordações do passado. Assim o filme mostra que é possível atingir nossas metas quando colocamos o coração no aqui e agora, lugar fértil onde se pode cultivar uma história de autoconhecimento.

(Resenha publicada no TG-DOXA no dia 03/06/2013)

Comentários

Popular Posts

Questões de filosofia com gabarito

QUESTÕES DE FILOSOFIA – COM GABARITO   EPICURO 01) Alguns dos desejos são naturais e necessários; outros, naturais e não necessários; outros, nem naturais nem necessários, mas nascidos de vã opinião. Os desejos que não nos trazem dor se não satisfeitos não são necessários, mas o seu impulso pode ser facilmente desfeito, quando é difícil obter sua satisfação ou parecem geradores de dano.(EPICURO DE SAMOS. “Doutrinas principais”. In : SANSON, V. F. Textos de filosofia. Rio de Janeiro: Eduff, 1974). No fragmento da obra filosófica de Epicuro, o homem tem como fim:   a) Alcançar o prazer moderado e a felicidade. b) Valorizar os deveres e as obrigações sociais. c) Aceitar o sofrimento e o rigorismo da vida com resignação d) Refletir sobre os valores e as normas dadas pela divindade. 02) Leia o trecho da Carta a Meneceu:"Nenhum jovem deve demorar a filosofar, e nenhum velho deve parar de filosofar, pois nunca é cedo demais nem tarde demais para a saúde da alma. Afirmar que

Questões de prova sobre Ética e Moral - Prova I - Com Gabarito

01) "Moral (mos, moris, "costume"): conjunto de normas livres e conscientemente adotadas que visam a organizar as relações das pessoas na sociedade, tendo em vista o bem e o mal; conjunto dos costumes e valores de uma sociedade, com caráter normativo (regras do comportamento das pessoas em grupo)". (ARANHA, Maria L. de Arruda. Filosofando: Introdução à filosofia. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2003). Sobre a moral, é CORRETO afirmar que:  a) O estudo da moral deixa de ser uma questão de cunho filosófico passando a ser objeto de estudo da teologia. b) A moral não estabelece regras para a vivência em sociedade. c) A moral se reduz a um conjunto de normas, regras e valores que são adquiridas através da herança e recebidas pela tradição. d) Através da reflexão crítica, o sujeito tende a colocar a moral e os valores vigentes em questão, questionando-os e criticando-os. e) Todas as alternativas acima estão erradas 02) A teoria Ética de Kant e Stuart Mill

Questões sobre Filosofia Política

Questões sobre Filosofia Política Livro: Fundamentos de Filosofia (Gilberto Cotrim) 1) Sintetize e compare os conceitos antigo e moderno de política. Resposta: Na concepção clássica grega o conceito de política refere-se à arte de governar a polis, ligada ao bem comum e à ética. Enquanto que na modernidade, o conceito passou a ser estritamente ligado ao poder, ou seja, a métodos de se conseguir algo. Sendo assim, a questão ética , que está implícita na ideia de bem comum é colocada em segundo plano ou totalmente abandonada. 2) Poder é a posse dos meios que levam à produção de efeitos desejados. Explique essa afirmação. Resposta: A afirmação quer dizer que “poder” é a capacidade de alcançar algum objetivo, utilizando artifícios como os econômicos. Poder vem do latim potere, posse “poder, ser capaz de”. Refere-se fundamentalmente à faculdade, capacidade, recursos para produzir certos efeitos, segundo o filosofo inglês Bertrand Russell poder é a capacidade de fazer c

01 - Mito e Filosofia (Questões com gabarito)

Quando pensamos na transição entre o mito e a filosofia salientamos que mesmo a filosofia nascente trazendo uma proposta mais racional em relação à toda explicação mítica, ela ainda apresentava "vínculos" com a antiga forma de conceber o universo, principalmente se tomamos como exemplo os jônios e todo o pensamento que busca na natureza e seus elementos aquilo que seria o princípio universal de todas as coisas. Enquanto o mito não se importava com as contradições e contos fabulosos, a filosofia organiza seu percurso através da lógica e do uso da razão. Mas não nos enganemos com essa simples colocação, pois há uma ruptura perceptível entre ambas. Enquanto o mito é envolto de crenças inquestionáveis, a filosofia nasce do próprio rechaço às explicações inquestionáveis e promove uma problematização de tudo. Ela rejeita o sobrenatural e a interferência dos deuses na explicação dos fenômenos naturais. Ela busca ao contrário do mito definir os conceitos e se organizar como um

Postagens mais visitadas deste blog

Questões sobre Filosofia Estética com Gabarito

01) “Um quadro não é pensado ou fixado de antemão. Enquanto o produzimos ele segue a modalidade do pensamento. Depois de terminado ele continua a mudar, conforme o estado daquele que contempla. Um quadro segue sua vida como um ser vivo, sofre as mudanças que a vida cotidiana nos impõe. Isto é natural, já que um quadro só vive graças àquele que o contempla.”   Pablo Picasso. Este fragmento do pensamento de Pablo Picasso significa: a) O quadro é um ser vivo e é independente do artista, assume forma independente e é altamente abstrato em relação à realidade sensível. b) O quadro é apenas o resultado do pensamento do artista que expressa a sua imaginação em um pedaço qualquer de superfície que permita a expressão máxima do artista. c) Um quadro, por mais que tenha a intencionalidade de um artista por de trás de sua criação, sempre se manterá vivo mesmo que um artista já o tenha terminado. Isso só é possível porque quem o contempla terá sempre a chance de fazer uma nova interpr

Questões sobre Filosofia Política

Questões sobre Filosofia Política Livro: Fundamentos de Filosofia (Gilberto Cotrim) 1) Sintetize e compare os conceitos antigo e moderno de política. Resposta: Na concepção clássica grega o conceito de política refere-se à arte de governar a polis, ligada ao bem comum e à ética. Enquanto que na modernidade, o conceito passou a ser estritamente ligado ao poder, ou seja, a métodos de se conseguir algo. Sendo assim, a questão ética , que está implícita na ideia de bem comum é colocada em segundo plano ou totalmente abandonada. 2) Poder é a posse dos meios que levam à produção de efeitos desejados. Explique essa afirmação. Resposta: A afirmação quer dizer que “poder” é a capacidade de alcançar algum objetivo, utilizando artifícios como os econômicos. Poder vem do latim potere, posse “poder, ser capaz de”. Refere-se fundamentalmente à faculdade, capacidade, recursos para produzir certos efeitos, segundo o filosofo inglês Bertrand Russell poder é a capacidade de fazer c

Questões de prova sobre Ética e Moral - Prova I - Com Gabarito

01) "Moral (mos, moris, "costume"): conjunto de normas livres e conscientemente adotadas que visam a organizar as relações das pessoas na sociedade, tendo em vista o bem e o mal; conjunto dos costumes e valores de uma sociedade, com caráter normativo (regras do comportamento das pessoas em grupo)". (ARANHA, Maria L. de Arruda. Filosofando: Introdução à filosofia. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2003). Sobre a moral, é CORRETO afirmar que:  a) O estudo da moral deixa de ser uma questão de cunho filosófico passando a ser objeto de estudo da teologia. b) A moral não estabelece regras para a vivência em sociedade. c) A moral se reduz a um conjunto de normas, regras e valores que são adquiridas através da herança e recebidas pela tradição. d) Através da reflexão crítica, o sujeito tende a colocar a moral e os valores vigentes em questão, questionando-os e criticando-os. e) Todas as alternativas acima estão erradas 02) A teoria Ética de Kant e Stuart Mill