Pular para o conteúdo principal

Partilha de Vida X Espiritualidade



Na semana passada eu havia postado uma mensagem sobre o diálogo. E como foi propícia para a minha vida e relacionamentos interpessoais! Hoje gostaria de falar um pouco sobre a nossa partilha de vida. Partilhar é demonstrar confiança não só no outro, mas em Deus que nos possibilita o outro para que partilhemos de nós mesmos e nos descobrimos nesta alteridade, pois o outro me diz muito quem sou.

Quando me propus a escrever sobre este tema, a primeira coisa que pensei foi em uma ilha. Uma extensão de terra firme cercada por águas em toda a sua periferia. Muitas pessoas sonham em passar algum tempo numa ilha, acham exuberante sua beleza, mas seu acesso não é fácil. É preciso no mínimo de uma embarcação para chegar lá. Dependendo da distância alguns mais fortes e treinados podem ir a nado. Mas não são todos que conseguirão. Neste caminho existem os perigos do mar, as vicissitudes do trajeto. Mas por que eu falo sobre isto? Por que eu analogicamente comparo nossa partilha de vida a uma ilha? Simplesmente porque algumas pessoas não conseguem partilhar, não têm forças para falar de si mesmas e por seu isolamento ou incomunicabilidade, se assemelham a uma ilha. E assim passam a se esta extensão de terra firme, mas que não dá acesso fácil aos outros. E quando alguém deseja se aproximar precisa de uma embarcação que nem se sabe se esta conseguirá chegar à ilha. Nadando sem se cogita tal façanha, o mar é bravio e toda a beleza que a ilha apresenta se esvai com seu fechamento. Daí que alguns querem entrar a força, desbravar as barreiras e forçar passagem, mas o que estes encontram? Nada. Simplesmente uma ilha vazia. Pessoas vazias que por não se abrirem aos outros se tornam totalmente vazios e caem numa angústia. Sempre acreditei e ainda o faço que todas as pessoas por mais simples que pareçam sempre têm algo a partilhar. E aqui mora um paradoxo, os mais simples e que acham que nada podem é que escondem grandes tesouros, daí o prazer de entrar nesta ilha, na vida do outro não para invadir seu espaço, mas para ajudá-lo a descobrir onde está enterrado este tesouro que precisa deixar seu brilho luzir ao mundo.

Todo este trajeto é um caminho de espiritualidade. Só com a ajuda de Deus é que conseguimos compartilhar nossa vida e da vida do outro sem agressão e logrando uma ajuda mútua. Se o outro se apresentar uma ilha, não tenha pressa de chegar lá. Tudo tem um momento certo, se há alguma embarcação, vá sem a intenção de descobrir o tesouro, isto deve ser um convite do outro que com o tempo sentirá a necessidade de buscá-lo também e sabendo que em nós encontrou um amigo, saberá também quem convidar para este grande dia, o dia de partilhar!

Comentários

  1. Oi, meu anjo
    Hoje desejo a vc este Amor incomensurável que ELE nos concede, gratuitamete, sem que mereçamos...
    Tanto mais espirituais... tanto mais nos aproximamos e somos mais generosos com os outros...
    Com o firme propósito de seguirmos nesta Corrente de Bem e de Amor, agradeço sua postagem em nossa BLOGAGEM COLETIVA ESPIRITUAL ECUMÊNICA...
    A alegria que sinto é verdadeira e brota da fidelidade cotidiana a Deus e da docilidade e adesão à sua Vontade.
    Com gratidão e entusiasmo sempre renovado,receba meu abraço fraterno.
    Que a maturidade dos nossos sonhos... a lembrança sorridente da nossa infância ida... o brilho das estrelas... a claridade da nova tarde que vem a cada dia... e o ORVALHO DO CÉU que umedece a relva lhe saja um dos motivos para alegrar-se muito nesta semana!
    Bj grande, amigo, vc é um tesouro para mim!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Popular Posts

Questões de prova sobre: As desigualdades sociais

01 - (UEL – 2003) Observe os quadrinhos: (QUINO. Toda Mafalda . São Paulo: Martins Fontes, 1992). Os quadrinhos ilustram uma forma comum de explicar a pobreza e as desigualdades sociais. Assinale a alternativa que apresenta pressupostos utilizados pela teoria liberal clássica para compreender a existência da pobreza e que foram também assumidos pela personagem Susanita em suas falas. a) As desigualdades sociais podem ser compreendidas através da análise das relações de dominação entre classes, que determinam o sucesso ou o fracasso dos indivíduos. b) A existência da pobreza pode ser compreendida a partir do estudo das relações de produção resultantes da exploração de uma classe sobre a outra. c) A divisão em classes sociais no capitalismo está baseada na liberdade de concorrência; assim, a pobreza decorre das qualidades e das escolhas individuais. d) O empobrecimento de alguns setores sociais no capitalismo decorre da apropriação

Questões de filosofia com gabarito

QUESTÕES DE FILOSOFIA – COM GABARITO   EPICURO 01) Alguns dos desejos são naturais e necessários; outros, naturais e não necessários; outros, nem naturais nem necessários, mas nascidos de vã opinião. Os desejos que não nos trazem dor se não satisfeitos não são necessários, mas o seu impulso pode ser facilmente desfeito, quando é difícil obter sua satisfação ou parecem geradores de dano.(EPICURO DE SAMOS. “Doutrinas principais”. In : SANSON, V. F. Textos de filosofia. Rio de Janeiro: Eduff, 1974). No fragmento da obra filosófica de Epicuro, o homem tem como fim:   a) Alcançar o prazer moderado e a felicidade. b) Valorizar os deveres e as obrigações sociais. c) Aceitar o sofrimento e o rigorismo da vida com resignação d) Refletir sobre os valores e as normas dadas pela divindade. 02) Leia o trecho da Carta a Meneceu:"Nenhum jovem deve demorar a filosofar, e nenhum velho deve parar de filosofar, pois nunca é cedo demais nem tarde demais para a saúde da alma. Afirmar que

01 - Mito e Filosofia (Questões com gabarito)

Quando pensamos na transição entre o mito e a filosofia salientamos que mesmo a filosofia nascente trazendo uma proposta mais racional em relação à toda explicação mítica, ela ainda apresentava "vínculos" com a antiga forma de conceber o universo, principalmente se tomamos como exemplo os jônios e todo o pensamento que busca na natureza e seus elementos aquilo que seria o princípio universal de todas as coisas. Enquanto o mito não se importava com as contradições e contos fabulosos, a filosofia organiza seu percurso através da lógica e do uso da razão. Mas não nos enganemos com essa simples colocação, pois há uma ruptura perceptível entre ambas. Enquanto o mito é envolto de crenças inquestionáveis, a filosofia nasce do próprio rechaço às explicações inquestionáveis e promove uma problematização de tudo. Ela rejeita o sobrenatural e a interferência dos deuses na explicação dos fenômenos naturais. Ela busca ao contrário do mito definir os conceitos e se organizar como um

Questões sobre Filosofia Estética com Gabarito

01) “Um quadro não é pensado ou fixado de antemão. Enquanto o produzimos ele segue a modalidade do pensamento. Depois de terminado ele continua a mudar, conforme o estado daquele que contempla. Um quadro segue sua vida como um ser vivo, sofre as mudanças que a vida cotidiana nos impõe. Isto é natural, já que um quadro só vive graças àquele que o contempla.”   Pablo Picasso. Este fragmento do pensamento de Pablo Picasso significa: a) O quadro é um ser vivo e é independente do artista, assume forma independente e é altamente abstrato em relação à realidade sensível. b) O quadro é apenas o resultado do pensamento do artista que expressa a sua imaginação em um pedaço qualquer de superfície que permita a expressão máxima do artista. c) Um quadro, por mais que tenha a intencionalidade de um artista por de trás de sua criação, sempre se manterá vivo mesmo que um artista já o tenha terminado. Isso só é possível porque quem o contempla terá sempre a chance de fazer uma nova interpr

Postagens mais visitadas deste blog

Questões sobre Filosofia Estética com Gabarito

01) “Um quadro não é pensado ou fixado de antemão. Enquanto o produzimos ele segue a modalidade do pensamento. Depois de terminado ele continua a mudar, conforme o estado daquele que contempla. Um quadro segue sua vida como um ser vivo, sofre as mudanças que a vida cotidiana nos impõe. Isto é natural, já que um quadro só vive graças àquele que o contempla.”   Pablo Picasso. Este fragmento do pensamento de Pablo Picasso significa: a) O quadro é um ser vivo e é independente do artista, assume forma independente e é altamente abstrato em relação à realidade sensível. b) O quadro é apenas o resultado do pensamento do artista que expressa a sua imaginação em um pedaço qualquer de superfície que permita a expressão máxima do artista. c) Um quadro, por mais que tenha a intencionalidade de um artista por de trás de sua criação, sempre se manterá vivo mesmo que um artista já o tenha terminado. Isso só é possível porque quem o contempla terá sempre a chance de fazer uma nova interpr

Questões sobre Filosofia Política

Questões sobre Filosofia Política Livro: Fundamentos de Filosofia (Gilberto Cotrim) 1) Sintetize e compare os conceitos antigo e moderno de política. Resposta: Na concepção clássica grega o conceito de política refere-se à arte de governar a polis, ligada ao bem comum e à ética. Enquanto que na modernidade, o conceito passou a ser estritamente ligado ao poder, ou seja, a métodos de se conseguir algo. Sendo assim, a questão ética , que está implícita na ideia de bem comum é colocada em segundo plano ou totalmente abandonada. 2) Poder é a posse dos meios que levam à produção de efeitos desejados. Explique essa afirmação. Resposta: A afirmação quer dizer que “poder” é a capacidade de alcançar algum objetivo, utilizando artifícios como os econômicos. Poder vem do latim potere, posse “poder, ser capaz de”. Refere-se fundamentalmente à faculdade, capacidade, recursos para produzir certos efeitos, segundo o filosofo inglês Bertrand Russell poder é a capacidade de fazer c

Questões de prova sobre Ética e Moral - Prova I - Com Gabarito

01) "Moral (mos, moris, "costume"): conjunto de normas livres e conscientemente adotadas que visam a organizar as relações das pessoas na sociedade, tendo em vista o bem e o mal; conjunto dos costumes e valores de uma sociedade, com caráter normativo (regras do comportamento das pessoas em grupo)". (ARANHA, Maria L. de Arruda. Filosofando: Introdução à filosofia. 3.ed. São Paulo: Moderna, 2003). Sobre a moral, é CORRETO afirmar que:  a) O estudo da moral deixa de ser uma questão de cunho filosófico passando a ser objeto de estudo da teologia. b) A moral não estabelece regras para a vivência em sociedade. c) A moral se reduz a um conjunto de normas, regras e valores que são adquiridas através da herança e recebidas pela tradição. d) Através da reflexão crítica, o sujeito tende a colocar a moral e os valores vigentes em questão, questionando-os e criticando-os. e) Todas as alternativas acima estão erradas 02) A teoria Ética de Kant e Stuart Mill